Principal > Notícias Coronavírus

 

 

Vídeo

O coronavírus explicado e o que você deve fazer

O vídeo "O coronavírus explicado e o que você deve fazer" foi produzido pelo canal do YouTube Kurzgesagt - In a Nutshell, criado por um estúdio alemão de animação, com foco em produzir conteúdo educacional. Ele traz uma explicação didática sobre como o vírus se espalha, salientando a importância do isolamento social.

 CATEGORIAS

 

 

 

 DESTAQUES

Serviço de Perícias Médicas (SPM)

 

Cuidados em casa de familiares contaminados por coronavírus

Com o avanço rápido dos casos de coronavírus nas cidades do Rio Grande do Sul, é necessário atentarmos para alguns cuidados quando convivemos com familiares com suspeita de contaminação pela doença, ou mesmo com ela confirmada.

A recomendação de especialistas tem sido a de que o paciente com sintomas mais brandos se recupere em casa e que se monitore o agravamento dos sintomas, principalmente em idosos e pessoas com doenças crônicas, pelo risco de aumento das complicações.

O paciente com Covid-19 e todas as pessoas que residem com ele devem permanecer em isolamento domiciliar por 14 dias, a partir da data do início dos sintomas. Nesse período, caso outro familiar também apresente sintomas gripais, deverá reiniciar o isolamento por mais 14 dias, a partir do surgimento dos sintomas.

Caso nesse período a pessoa apresente mais de um sintoma ou sinal, como febre alta, falta de ar, confusão mental, hipotensão, então deverá buscar atendimento médico com urgência.

 

 

O distanciamento atualmente é a melhor demonstração de carinho e respeito para com os outros.

 

Por Márcia Maria Telles Westphalen,
Enfermeira do Serviço de Perícias Médicas (SPM) do TCE-RS.

Fontes:
https://www.semprefamilia.com.br/
https://jornal.usp.br/ 

https://jundiai.sp.gov.br

https://gauchazh.clicrbs.com.br
https://coronavirus.saude.gov.br/


População de Rua e a Pandemia

Pessoas em situação de rua passam as noites dormindo em praças, embaixo de pontes e viadutos. Esses espaços são locais degradados e de pouca ou nenhuma higiene. Moradores de rua sofrem com a pandemia e ficam à margem da prevenção. Muitos vivem da coleta de recicláveis, e dificilmente lavam as mãos pela dificuldade de acesso aos meios adequados para isso. Sem água, sabonete e álcool em gel, a população fica vulnerável para a contaminação por covid-19. Na rua, recebem a orientação para lavarem as mãos, contudo, a limpeza acontece com dificuldades e geralmente quando se deparam com algum vazamento público de água, chafariz, uma poça de água acumulada na rua, ou no uso de um banheiro público. Esses locais, em muitos casos, são espaços inadequados para se realizar uma limpeza eficiente.

A crise econômica e a falta de recursos já é uma realidade cruel e conhecida pelos moradores de rua. A falta de comida, de trabalho e de segurança se agravam para as pessoas que dependem de políticas públicas e de ajuda solidária para tentar atenuar seus problemas. A pandemia acaba sendo a nova realidade que coloca em evidência a questão da saúde de toda população, sobretudo das pessoas mais suscetíveis ao coronavírus. O grau de vulnerabilidade à covid-19 aumenta pela alta capacidade de transmissão do vírus e pelas condições precárias com as quais vivem os moradores de rua.
 
Por essa perspectiva e com o mesmo espírito solidário e humanitário, a situação atual exige um pensar com ênfase na questão da saúde, pois além de suprir as necessidades básicas geradas pela crise econômica, é necessário reforçar a importância da higienização e oferecer os meios possíveis para que isso possa ocorrer. Álcool em gel, máscaras, sabão e água não estão sempre disponíveis na rua para essas pessoas, e quando esses produtos de limpeza chegam a eles, podem ser mal utilizados por falta de instrução ou conscientização. É fundamental reforçar a orientação aos moradores de rua a respeito da utilização correta desses produtos, e também ressaltar a importância do valor da limpeza na vida, para que haja maior proteção, adesão e continuidade ao procedimento.
 
Abaixo, segue uma dica que possibilita uma lavagem das mãos de forma adequada, por proporcionar ao morador de rua, além de água limpa e sabão, orientações que resultam no uso correto desses elementos e o valor da sua proteção. O material preparado será melhor aproveitado caso seja possível uma instrução verbal ao morador de rua. Além da clareza da informação, a atenção dada a eles favorece o sentimento de inclusão social.

1. Separe e limpe garrafas plásticas
2. Fure as tampas
3. Encha em pares, uma garrafa maior com água da torneira e outra garrafa menor com água + sabão, ou detergente
4. Identifique cada conteúdo
5. Una as garrafas com um barbante próximo à tampa
6. Entregue ou pendure em locais públicos visíveis
7. Disponibilizar junto ao kit uma instrução sucinta da lavagem das mãos e uma dica da importância dessa higienização.
8. Todo contato deve respeitar as regras de proteção e os cuidados de distanciamento vigentes preconizados pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

 

 

Referências bibliográficas:
https://www.who.int/eportuguese/countries/bra/pt/ Organização Mundial da Saúde
https://saude.gov.br/  Ministério da Saúde (MS)
https://brasil.elpais.com/sociedade/2020-03-20/moradores-de-rua-a-margem-da-prevencao-contra-a-covid-19-lavamos-as-maos-nas-pocas-quando-chove.html
https://www.politize.com.br/pessoas-em-situacao-de-rua/     


Por Valdionir Freitas,
Equipe de Enfermagem do Serviço de Perícias Médicas (SPM) do TCE-RS.


Sobre o Portal TCE-RS:

Termos de Uso | Privacidade | Acessibilidade | Mapa do Site
Palácio Flores da Cunha - Rua Sete de Setembro, 388
Centro Histórico - CEP 90010-190 - Porto Alegre - RS
Fones: (51) 3214-9869 - Atendimento
(51) 3214-9700 - Telefonista   
0800-541 98 00 - Ouvidoria    
Horário de Atendimento: das 10h às 18h
© 2010 TCE-RS - Todos os direitos reservados Conteúdo disponível sob uma Licença Creative Commons Licença Creative Commons